Pacientes com sintomas de Burnout

A síndrome de Burnout, também conhecida como síndrome do Esgotamento Profissional, é um desafio crescente para a sociedade no mundo ocidental. Os sintomas relatados de Burnout compreendem não só distúrbios psiquiátricos ou de humor, como fadiga, cinismo, prejuízo na vida sexual, falta de concentração, mas também sintomas somáticos como dores de cabeça, hipertonia ou síndrome do intestino irritável. O apoio à prevenção e ao alívio das reações de estresse é realizado por substâncias adaptogênicas que parecem aumentar a tolerância ao estresse. A Rhodiola Rosea é uma das plantas medicinais mais populares, com propriedades adaptogênicas, tradicionalmente utilizada para aliviar sintomas relacionados ao estresse, como fadiga ou sensação de fraqueza. Recentemente, Kasper e Dienel investigaram os desfechos clínicos do tratamento com extrato de R. Rosea em pacientes que sofrem com a síndrome de Burnout.

Foram recrutados 120 homens e mulheres, funcionários ou indivíduos com cargo de estresse comparáveis entre si, com idade entre 30 e 60 anos e que sofrem de sintomas de Burnout. Desse número, somente 117 foram elegíveis. A dose utilizada foi de 200mg de extrato seco padronizado a 60% de R. Rosea 2x ao dia administrados durante 12 semanas. Somente 68 concluíram o tratamento. Os desfechos clínicos foram avaliados pela versão alemã do Inventário Maslach Burnout, escalas analógicas numéricas de sintomas de estresse subjetivos (NASs), escalas de triagem Burnout I e II, escala de deficiência de Sheehan, questionário de estresse percebido (QSP), teste de conexão numérica, questionário de estado de humor multidimensional, escalas analógicas numéricas para diferentes sintomas de estresse e comprometimento da vida sexual.

Os níveis de “exaustão emocional”, “fadiga”, ou “esgotamento” apresentaram melhora no 7º dia com redução ainda maior até o final da intervenção. Além disso, outras subescalas avaliadas para sintomas de estresse subjetivo, como humor, “falta de alegria” e “entusiasmo para a vida” sofreram melhora significativa. Em geral, os dados obtidos pelo QSP e escala NASs para sintomas de estresse subjetivo demonstram melhora em todos os valores avaliados, o que foi mais pronunciado na primeira semana de tratamento e continuou lentamente depois.

Os autores concluem que apesar da falta de grupo controle, a administração de R. Rosea durante 12 semanas promoveu melhora dos sintomas associados à Síndrome de Burnout.

Fonte: Kasper S, Dienel A Neuropsychiatr Dis TReat. 2017.


2018-07-25T10:06:55+00:00